01/02/2019 às 11h11

Especialistas orientam sobre a pulverização do fumacê e descartam risco à saúde humana

imageTrabalho de pulverização começou nessa última quinta-feira, 31, nas regiões Sul e Norte da Capital

Trabalho de pulverização começou nessa última quinta-feira, 31, nas regiões Sul e Norte da Capital

Fotógrafo: Raiza Ribeiro

Fechar
imagePulverização de inseticida pelas quadras é mais uma ação de combate ao mosquito adotada pelo Município

Pulverização de inseticida pelas quadras é mais uma ação de combate ao mosquito adotada pelo Município

Fotógrafo: Raiza Ribeiro

Fechar
imageTrabalho de pulverização começou nessa última quinta-feira, 31, nas regiões Sul e Norte da Capital

Trabalho de pulverização começou nessa última quinta-feira, 31, nas regiões Sul e Norte da Capital

Fotógrafo: Raiza Ribeiro

Fechar

Redação Semus

A Prefeitura de Palmas adotou essa semana mais uma ação para combater o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika na Capital - o fumacê, que é a pulverização concentrada de inseticida pelas quadras da cidade.  O trabalho começou nesta última quinta-feira, 31, nas regiões Sul e Norte do município, onde dois carros pulverizam as quadras com maior número de notificações de focos do mosquito e também da dengue.

 

Para tirar as dúvidas da população em relação à aplicação do inseticida usado nos carros, conversamos com duas especialistas da Unidade de Vigilância e Controle de Zoonoses (UVCZ) de Palmas, as biólogas Betânia Costa e Lara Betânia e também com o médico infectologista, Alexandre Janoti.

 

Lara Betânia explica que o fumacê funciona com a aplicação em três ciclos que estão sendo realizados neste primeiro momento, nas regiões com maior incidência de casos. A aplicação do produto segue os protocolos regulamentos pelo Ministério da Saúde. “Diversos estudos mostraram qual a quantidade de inseticida uma pessoa estaria exposta (pela pele e por inalação), mesmo se fosse uma criança que estivesse fazendo uma atividade física, apenas de calção e sem camisa, a cerca de mais de sete metros da passagem de um veículo aplicando UBV, o risco é insignificante, pois a soma da quantidade inalada e em contato com a pele seria bem pequena”, observa a bióloga.

 

A bióloga e gerente da UVCZ Betânia Costa ressalta ainda que o uso do fumacê é mais uma ação que a Secretaria da Saúde adotou para o combate e prevenção do Aedes aegypti. “O Ministério da Saúde preconiza dentro do Plano Nacional de Controle do Aedes aegypti a aplicação de larvicidas, mas sabemos que a eliminação de criadouros depende ainda mais da conscientização popular”, disse, pontuando que o fumacê e outras aplicações de inseticidas residuais entram em cena somente para ajudar na eliminação do vetor.

 

A bióloga lembra que o inseticida do fumacê mata mosquitos adultos (machos e fêmeas) e para isso eles precisam estar voando. “Para a boa efetividade da pulverização depende de questões climáticas, sendo que se o vento estiver forte leva o inseticida embora. Não pode estar chovendo e há horários específicos em que a nuvem do produto percorre o espaço necessário para atingir o mosquito”, diz Betânia.

 

A gerente ressalta que quando o carro de UBV passa em uma rua, se a casa tiver muro alto, por exemplo, o veneno não chega até o fundo da casa, portanto não vai eliminar mosquito algum. Além disso, o fumacê não tem ação residual, ou seja, aquela larva que está no vaso de planta não será eliminada. O que reforça a importância do morador manter seu quintal limpo.

 

O médico infectologista Alexandre Janoti faz uma observação sobre o fumacê. “O produto usado para o combate ao Aedes aegypti é jogado em doses capazes de matar o mosquito e não de prejudicar a saúde humana. O problema é o uso indiscriminado de inseticidas. O inseticida serve para bloquear epidemias e não podem ser usados sem o devido controle”, adverte, acrescentando que em alguns casos específicos de pessoas alérgicas,  que devem evitar o contato direto com a fumaça do inseticida.

 

A Secretaria de Saúde de Palmas continua desenvolvendo um intenso trabalho no combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, com ações norteadas pela Vigilância Epidemiológica e também UVCZ no controle e monitoramento da dengue. Além disso, a rede de saúde da Capital tem utilizado todos os mecanismos possíveis no combate à proliferação do mosquito, bem como no atendimento adequado para os casos de suspeita da doença.

 

 



Edição e postagem: Iara Cruz

Portal do Contribuinte

Aqui você encontra os serviços on-line disponibilizados pela prefeitura.

Nota Quente

Programa de incentivo à emissão de notas fiscais gerando crédito para concorrer a prêmios.

Utilidade pública

Este espaço facilita o acesso do cidadão aos serviços prestados pelo município.

Servidor

Canal destinado à assuntos dedicados ao servidor público municipal.

Concursos

Canal destinado à concursos realizados pela Prefeitura de Palmas.

Turista

Conheça Palmas. Seus pontos turísticos, sua diversidade e eventos você encontra aqui.

PROJETOS E AÇÕES

+ PROJETOS E AÇÕES