CATEGORIAS

BLOG DE NOTICIAS

Desfile de bonecos e queima de tambores marcam o pré carnaval em Taquaruçu

31 de January de 2016 às 11:30min | Carnaval

Márcio Greick

Valério Zelaya

A comunidade de Taquaruçu e visitantes acompanharam no início da noite deste sábado, 30, o desfile dos bonecos gigantes em Taquaruçu. O desfile saiu da Praça Joaquim Maracaípe à caça da cobra  Boiúna  até a Aldeia Taboka Grande marcando a pré  abertura do Carnaval no Distrito.

 

Uma multidão, entre jovens, crianças e adultos, seguiu no início da noite ao som dos tambores o líder dos bonecos, o Boneco Amarelo, e seus pares, que procuram a cobra Boiúna pelas ruas do distrito, convidando moradores e visitantes a segui-los nessa caçada até a aldeia Taboka Grande.

 

A bióloga Luiza Leal é moradora do Distrito e há dois anos acompanha a tradicional queima de tambores. “Gosto muito pela valorização da tradição de forma alegre e lúdica”, disse.

 

Ao chegar à Aldeia, acontece o tão esperado encontro entre os bonecos e a cobra  Boiúna, com cânticos e coreografias, acompanhado dos outros  bonecos, Mãe-Bá, Imperial, Maculelê, Tabocão, além dos cavalinhos representados por crianças.

 

A cobra Boiúna,  que  é formada por aproximadamente dez mulheres, recebe  os bonecos, acompanhada do  arco de flor, carregado pela matriarca do idealizador da festa, dona Adelina Nunes,  de 75 anos.

 

Após o encontro com a Boiúna ocorre o ritual da Queima de Tambores, um dos pontos alto do encontro. Em uma roda, o líder do ritual,  Wertemberg Nunes, e seus filhos abrem  com fogo o ritual em que toras de madeiras, (Turimbó), são acesas, e nelas são depositadas gravetos representando  algo de ruim que está sendo queimado e substituído por algo novo e do bem.

 

Durante a queima dos Turimbós, os visitantes fazem seus pedidos e depositam os cavacos de madeira dentro das toras em chamas. Em seguida abre-se um espaço para declamação de versos e de causos, feito geralmente pelos  familiares, ou por qual quer um dos convidados e turistas presentes.

 

O público pode apreciar as histórias de Salvador Nunes e causos do Chico Pedrosa, contadas pelos seus netos. Um dos pontos altos é quando os participantes do ritual queimam simbolicamente os tambores acompanhados por cânticos e danças ao som do berimbau.

 

Para a Professora Genilza Cruvinel, o evento representa uma forma diferenciada de se abrir o carnaval no Distrito. “É uma programação com forte simbolismo cultural, em que há a participação também das crianças, de forma lúdica e com respeito às tradições e costumes familiares da aldeia em  que agente não vê no carnaval tradicional”, disse.

 

Para o idealizador do evento, Wertemberg Nunes, o ritual da queima dos tambores representa o encontro entre a arte e a história formada por uma tradição que vem passando de pai para filho.  “É um sonho e um dever cumprido, em tornar a história da arte em um patrimônio  para a   comunidade da Aldeia e do Distrito ”, disse.

 

No final do evento, os músicos Nacha Moretto, Jorge Menares e o percussionista Marcelo apresentaram  machinhas e samba ao som da Banda Impacto Latino.


Voltar