Coleta seletiva barateia custo com limpeza, preserva o meio ambiente e gera renda

Fundação Municipal de Meio Ambiente

Autor: Redação/ Edição: Lorena Karlla | Publicado em 21 de julho de 2021 às 20:10

Palmas possui 12 ecopontos instalados para receber materiais recicláveis que serão destinados aos catadores para reaproveitamento

Separar o material reciclável do que realmente é lixo e dar o destino correto, por meio da coleta seletiva, é uma prática do cidadão que pode gerar economia para o município. A separação de recicláveis garante que esses materiais sejam reinseridos na cadeia produtiva e assim haja redução da retirada de matérias primas da natureza.

“Material reciclável não é lixo, ele é matéria prima. Estamos falando do papel, do papelão, do metal e do plástico”, explica a engenheira ambiental da Fundação Municipal do Meio Ambiente de Palmas (FMA), Roodineya Williams Andrade. A FMA é responsável por uma ação ambiental que incentiva o cidadão a separar materiais recicláveis de rejeitos e orgânicos, por meio da instalação de ecopontos pela cidade, para onde são levados os recicláveis. “Esse material dos ecopontos é levado para as associações e cooperativas de catadores de materiais recicláveis”, destaca a engenheira.

“Não podemos deixar de falar da geração de emprego e renda que os materiais recicláveis garantem para dezenas de famílias em Palmas, que vivem ou complementam a renda como catadores”, diz Roodineya. Hoje existem cinco associações e cooperativas de catadores que recebem os materiais deixados nos 12 ecopontos disponíveis atualmente em Palmas.

Economia

A adesão da sociedade à coleta seletiva pode reduzir o gasto do Município com o tratamento dos resíduos sólidos no aterro sanitário. Palmas gera, em média, 270 toneladas de resíduos por dia. O tratamento no aterro custa R$ 42 a tonelada; uma despesa mensal superior a R$ 300 mil. “Com uma produção menor de resíduo, reduziria o volume de material a ser tratado no aterro sanitário, assim como também teria um custo menor com varrição, coleta e transporte do que é chamado de lixo doméstico. A coletiva seletiva também é fundamental para a preservação do meio ambiente”, ressalta a engenheira ambiental da FMA.

A Prefeitura de Palmas orienta que cada morador já faça a separação do material na sua casa e leve até os ecopontos ou direto para as organizações de catadores. “O que é chamado de lixo doméstico é composto por materiais orgânicos, recicláveis e rejeitos. Os orgânicos são restos de alimentos que podem ser utilizados na horta ou no jardim para ajudar na adubação e os rejeitos são os resíduos contaminados, como o lixo do banheiro. Fazendo a separação, ficaria apenas o rejeito para ser destinado ao aterro sanitário, reduzindo bastante o volume de resíduos enviados diariamente”, argumenta Roodineya.

Uso dos contêineres

A engenheira ambiental da Fundação Municipal do Meio Ambiente de Palmas (FMA), Roodineya Williams Andrade, alerta para a importância do uso correto dos contêineres instalados nos ecopontos. São três recipientes, cada qual identificado por uma cor diferente para receber materiais distintos: azul para papel e papelão, amarelo para metal e vermelho para o plástico. “Os ecopontos não são destinados para entulhos de construção, galhadas e lixo orgânico (restos de alimentos), porque esses materiais acabam contaminando os recicláveis e inviabilizando seu reaproveitamento.”

Também é importante que embalagens de bebidas, alimentos e produtos de limpeza sejam lavadas antes do descarte. Elas precisam estar secas para não comprometer outros materiais como papéis e papelão.

Onde posso deixar o material reciclável:

Ecoponto da ACNO 1 (103 Norte) - Anexo III da Corregedoria da Justiça

Ecoponto da Arse 34 (310 Sul) - IFTO

Ecoponto da AASE 50 (502 Sul) - Defensoria Pública na Avenida Teotônio Segurado

Ecoponto da Arno 12 (105 Norte)

Ecoponto na Praça da Arso 42 (405 Sul)

Ecoponto na Praça da Arse 21 (204 Sul)

Ecoponto da Arso 61 (603 Sul)

Ecoponto da Arso 102 (1005 Sul)

Ecoponto na Praça dos Girassóis (Terratins)

Ecoponto da Arno 22 (205 Norte)

Ecoponto na Praça dos Girassóis (Tribunal de Justiça)

Ecoponto na Praça da Arne 13 (108 Norte)