Consultório na Rua oferece tratamento em saúde e resgata casal em extrema vulnerabilidade social em Palmas

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 14 de julho de 2020 às 13:36

Juntos há 14 anos, o casal que morava em um barracão de lona na região Sul de Palmas passou a receber atendimento necessário para que eles tivessem mais saúde e uma vida digna

Na manhã desta terça-feira, 14, Ivan Pereira da Silva, que vivia em situação de vulnerabilidade social, assinou o termo de posse da sua nova casa, que fica no Jardim Vitória I, em Palmas. Ele foi contemplado pelo programa de moradia da Prefeitura de Palmas. Mas além de ganhar um novo lar com a sua mulher Eliana de Sousa, 44 anos, o casal foi resgatado pela equipe do Consultório na Rua de uma situação de extrema vulnerabilidade social. Hoje, eles têm acompanhamento em saúde, além de receber o diagnóstico, remédios e todo o tratamento necessário para a esquizofrenia.

 

“Eu estou muito feliz. Morava em um barracão de lona, sem condição de nada. Hoje estou vivendo numa casa de telhas e daqui a alguns dias serei dono da minha própria casa. Parece um sonho”, disse Ivan, que nas poucas palavras pôde expressar a emoção que sentia pela reviravolta que a vida trouxe para ele e a esposa, depois de tanto sofrimento.

 

Casados há 14 anos, Ivan e Eliane moravam em um barracão de lona na região Sul de Palmas e por meio de informações de terceiros, a equipe do Consultório na Rua, ainda em 2016, começou a cuidar deles com todo atendimento necessário para que eles tivessem mais saúde e uma saúde digna. “A partir daí começamos o processo de vínculo, no qual ele deu abertura para cuidar da saúde dele e da Eliane. Como eles também têm problemas de saúde mental, ambos fazem tratamento e são acompanhados no Centro de Atendimento Psicossocial (Caps II)”, afirma a enfermeira e responsável pelo Consultório na Rua, Juliana Santos Simões.

 

Toda a medicação diária é controlada pela equipe, que também marca as consultas e faz toda a orientação sobre cuidados básicos, como a higiene pessoal. “Quando os encontramos no barraco de lona, eles não tinham o mínimo de condição para cuidar de hábitos básicos, como tomar banho e escovar os dentes e nós começamos a fazer um trabalho de formiguinha, até estabelecer esse vínculo e hoje, falamos com orgulho, que eles têm uma nova vida, sem contar que a saúde mental dos dois melhorou bastante, porque agora toda a medicação diária é controlada por nós”, observa.

 

Depois que o consultório já estava cuidando do casal, a equipe iniciou o processo de vinculação dos serviços intersetoriais, que é a busca por habitação, benefícios e direitos como cidadãos.

 

A técnica de enfermagem Silvaci de Araújo Reis, que também faz parte da equipe, conta que o programa é dinâmico, porque envolve várias etapas, e além da parte técnica, a profissional afirma que veste a camisa para que o trabalho possa ultrapassar as barreiras descritas na normativa do projeto. “O que nós fazemos com esses pacientes é um trabalho de formiguinha, que envolve persistência, fé e amor. O Ivan é um dos usuários que eu adotei. Então é uma tarefa não somente técnica, mas humana e empática. De fato, muitas vezes me coloquei no lugar dessas pessoas e isso me fez querer ajudá-las não só como enfermeira, mas como alguém que sente compaixão pelo próximo”, completa.

 

Consultório na Rua

 

Pensando na população mais vulnerável, o Consultório na Rua, projeto que existe desde 2016 e faz parte das ações de atenção básica da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), atende atualmente 130 moradores de rua. A equipe, composta por enfermeira, assistente social, técnica de enfermagem e dois agentes sociais, já atendeu, durante esses quatro anos, mais de 400 pessoas, algumas nunca havia tido na vida qualquer atendimento básico de saúde. “É um processo árduo e demanda tempo, mas o nosso principal objetivo é a garantia de direitos básicos em todos os âmbitos sociais”, finaliza Juliana.