Dia da Mulher - Sacrifício e dedicação resumem a rotina da administradora dos serviços de urgências municipais de Palmas

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus/ Edição: Lorena Karlla | Publicado em 09 de março de 2021 às 18:31

Segunda reportagem de série que conta histórias de mulheres que se dedicam à Saúde dos palmenses, em meio à pandemia, mostra a diretora de Média e Alta Complexidade da Semus, Ludmila Nunes

Muitas mulheres precisam equilibrar o tempo com suas demandas pessoais e a rotina de trabalho intensa, assim também é a rotina da diretora de Média e Alta Complexidade, Ludmila Nunes, protagonista da reportagem desta terça-feira, 9, em continuidade à série dedicada ao Dia da Mulher – 8 de março. Formada em administração, com pós-graduação em Saúde Pública e Regulação em Saúde, a profissional atuou por mais de 20 anos como servidora no Governo Estadual e em agosto de 2020 se dispôs a atender a rede municipal e assumir o cargo de diretora e todos os desafios do período de pandemia.

“Eu tenho um rotina de 12 horas aqui na Semus, que é essencial para o funcionamento da minha diretoria, pois todas as unidades de urgência e ambulatoriais ficam na minha responsabilidade. A gestão delas sempre foi uma demanda de muita atenção e cuidado, e agora diante de todas essas adversidades, é preciso dobrar o trabalho”, explicou.

Emocionada ela conta como tem vivido essa rotina com suas duas filhas de 10 e 5 anos. “Não é fácil deixar as filhas em casa, às vezes, e principalmente minha filha mais nova, me pede mais atenção, mas nesta situação que estamos, com os serviços na pandemia, eu preciso muito me dedicar ao trabalho”, conta, detalhando como é a ausência desse convívio, “meu hobby é estar com eles, ver filmes juntos que é nosso programa favorito, eles sentem minha falta, mas também entendem a importância do meu trabalho”.

Outra ausência sentida pela servidora é da mãe, que pertence ao grupo de risco e, por isso, tem evitado visitá-la neste período. “É outro grande desafio, minhas filhas amam a avó, querem abraçar e estar com ela, e eu também sinto falta dela, então tento dar todo o suporte que ela precisa e ao mesmo tempo garantir que ela não seja contaminada pela Covid-19”. Ludmila conta que apesar da ausência da família, ela se orgulha de poder contribuir com o setor e assim levar um bom atendimento para toda a população.

A história da servidora é a representação das 1.948 mulheres que contribuem com saúde pública municipal de Palmas. São trabalhadoras que têm dedicado horas ao cuidado, a informação, a administração, custeio e demais serviços da área, demonstrando comprometimento com a comunidade.