Especialistas do Ministério da Saúde conhecem de perto o trabalho de combate e prevenção da dengue em Palmas

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 27 de fevereiro de 2019 às 16:53

O encontro realizado na manhã desta quarta-feira, 27, na sede da Secretaria da Saúde de Palmas teve como foco alinhar as ações e estratégias que o estado e o Município


Técnicos do Ministério da Saúde (MS) estão em Palmas desde ontem, terça-feira, 26, conhecendo de perto o trabalho que a rede de saúde da Capital vem realizando para prevenir e controlar a proliferação do mosquito Aedes aegyti. Depois de visitar algumas unidades de saúde, acompanhar as equipes que atuam diretamente com epidemiologia, os técnicos do MS se reuniram com os secretários de Saúde de Palmas, Daniel Borini e do Estado, Renato Jayme, e os profissionais das duas pastas ligados às áreas de Controle Vetorial e Zoonoses.  

O encontro realizado na manhã de quarta-feira, 27, na sede da Secretaria da Saúde de Palmas teve como foco alinhar as ações e estratégias que o Estado e o Município adotaram para diminuir o número de notificações de casos da doença. O Tocantins, incluindo a Capital, está em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya, de acordo com o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2018.

Sabendo que a maior parte dos criadouros são encontrados nas residências, depósitos de lixo e em descartes de objetos domiciliares nas áreas urbanas, os técnicos e especialistas do Ministério da Saúde reforçaram aos gestores que as ações de vigilância epidemiológica sejam intensificadas nesses ambientes, mas que também é fundamental inspecionar os pontos estratégicos, quinzenalmente, como por exemplo os cemitérios, para que se faça o tratamento químico destes locais. Outro ponto cobrado pela equipe técnica do Ministério é atualização e o acompanhamento do Plano de Contingência do MS que trata do fluxo e norteia as ações da dengue.

Depois de ouvir todas as orientações, o secretário Daniel Borini, pontuou as intervenções que vêm sendo feitas na Capital. “A rede municipal de saúde está empenhada na inspeção para detectar, remover, eliminar e tratar os criadouros do mosquito Aedes aegypti. Mas sabemos que a saúde sozinha não conseguirá chegar a todos os pontos, por isso já pedimos as demais áreas, como meio ambiente, infraestrutura, ação social, educação entres outras auxílio neste trabalho”, relatou Borini.

O secretário de Saúde do Estado, Renato Jayme, disse que a gestão estadual está bastante preocupada com os números alarmantes que o Tocantins tem registrado neste ano. “Precisamos traçar estratégias em conjunto para reduzir os casos e riscos de proliferação do mosquito”, observou o gestor colocando a secretaria à disposição dos municípios.

Dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES) mostram aumento de 344,5% dos casos notificados de dengue neste início de ano no Tocantins. Segundo a SES, 12 municípios estão classificados com alta incidência de casos prováveis de dengue. São eles: Porto Nacional, Oliveira de Fátima, Miracema, Dianópolis, Ipueiras, Palmas, Rio da Conceição, Silvanópolis, Paraíso, Monte do Carmo, Tocantínia e Chapada da Natividade. Outros três municípios aparecem com situação de incidência classificada como média (Formoso do Araguaia, Pugmil e Talismã).

 




Edição e postagem: Lorena Karlla