Frente Nacional de Prefeitos debate compra de insumos e medicamentos e defende imunização das crianças

Gabinete da Prefeita

Autor: Redação/ Edição: Lorena Karlla | Publicado em 25 de novembro de 2021 às 18:57

81ª Reunião Geral da FNP é marcada pela defesa da ampliação da vacinação das crianças de 5 a 11 anos contra à Covid-19

A 81ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) foi marcada pela discussão da gestão da saúde nos municípios; com destaque para a defesa da imunização das crianças brasileiras contra à Covid-19 e a compra compartilhada de insumos e medicamentos. A Reunião Geral é a primeira  presencial da FNP desde o início da pandemia e conta com a participação de mais de 60 prefeitos em Aracaju (SE), até essa sexta-feira, 26.

A prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, vice-presidente de Relações Institucionais da FNP, não compareceu ao evento em razão do nascimento do seu filho, no último dia 19. Representando a gestora palmense no encontro, o secretário de Governo e Relações Institucionais, e também titular da pasta de Finanças, Rogério Ramos, detalhou que a reunião é marcada por uma extensa programação, onde são debatidas as diversas áreas da gestão municipal. “São discussões muito intensas em relação aos projetos em tramitação no Congresso Nacional, matérias que afligem os municípios pois, se aprovadas, criam despesas para os municípios. Como, a criação de pisos salariais”, exemplificou Ramos.

Vacinas

O presidente do Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras (Conectar) e prefeito de Florianópolis (SC), Gean Loureiro, explicou que foram apresentadas ao Ministério da Saúde todas as justificativas técnicas para autorizar a vacinação das crianças de 5 a 11 anos.

Loureiro argumentou que o Conectar, idealizado pela FNP, surgiu em um primeiro momento para aquisição de vacinas. Mas, com o avanço da imunização pelo Governo Federal, a aquisição de vacinas pelo Conectar se tornou desnecessária. “Os debates foram modificados. Focamos agora na compra compartilhada de insumos e medicamentos, que é um caminho para a economia nos municípios. Nossa meta é adquirir produtos com preços mais acessíveis, dando mais ganho de escala”, completou.