I Mostra Cultural SaudavelMente aborda inclusão e direitos das pessoas com sofrimento mental

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 28 de maio de 2019 às 14:41

Evento segue até às 21 horas desta terça-feira, 28, no Espaço Cultural José Gomes Sobrinho


Biscoitos, doces, tapetes, quadros, objetos de decoração, produtos de limpeza, artesanatos diversos, tudo produzido pelos usuários do Serviço de Saúde Mental da Capital, além de muita música, dança e alegria, marcaram a manhã da I Mostra Cultural SaudavelMente organizada pelos Centros de Atenção Psicossocial da Capital (CAPs II e AD III) e o Coletivo de Luta Antimanicomial em Palmas (Colapa).


A Mostra acontece no Espaço Cultural José Gomes Sobrinho até às 21 horas desta terça, 28, é gratuita e aberta ao público. A programação inclui rodas de conversa, cortejo musical, feira de trocas e de produtos confeccionados pelos usuários do Serviço de Saúde Mental da Capital e sessões de cinema.


O evento faz parte da programação do Mês da Luta Antimanicomial, que é um movimento decorrente da reforma psiquiátrica no mundo e que tem como característica lutar pelos direitos das pessoas com sofrimento mental, combatendo a ideia de isolamento do paciente. “A gente acredita muito no cuidado em liberdade, no acompanhamento de uma equipe multidisciplinar e não apenas psiquiatras e médicos, e que ele possa estar próximo do seu contexto social, da sua família. Então essa mostra cultural é uma forma da gente mostrar que é possível e que muitos usuários ressignificam sua vida através desse cuidado em liberdade, através da arte, da cultura, das oficinas expressivas, da reabilitação psicossocial”, ressalta a terapetura ocupacional do CAPS AD III, Marla Castro.

 

Mudança de vida

 

A artesã e usuária do CAPS II, Maria Jesuíta Piagem, é um bom exemplo dessa ressignificação de vida. Desde os 15 anos, ela faz tratamento para transtorno mental, tendo passado por várias internações quando morava em Araguaína, mas desde que começou a frequentar o CAPS II em Palmas, sua vida mudou. “Era muito difícil ficar internada, ficar isolada, não tinha trabalho manual, não tinha nada, sofria demais, e foi um momento muito difícil na minha vida. Aí depois que eu vim para Palmas fui encaminhada para o CAPS e minha vida só vem melhorando, aprendi muita coisa, aperfeiçoei o meu artesanato”, diz a artesã, que chegou a frequentar o CAPS todos os dias, mas hoje vai apenas a cada 15 dias e ainda dá ensina os demais usuários a fazer panos de prato, caminhos e toalhas de mesa e tapetes.

 

O músico Manoel Bispo que faz parte do grupo Sugestões Rapper foi convidado pelo primo que iniciou tratamento no CAPS AD III e hoje é acompanhado pelos profissionais do CAPS II. Bispo entende bem a importância dessa inclusão. “Sem essa inclusão não tem como haver nenhum benefício tanto para sociedade quanto principalmente para as famílias e para a pessoa que sofre transtorno mental. Tem seis anos que ele não tem recaída e o CAPS tem dado a estrutura para ele com o apoio multiprofissional”, ressalta.

 

A Mostra tem o apoio da Secretaria Municipal de Saúde, Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp), Conselho Regional de Psicologia do Tocantins (CRP-23), Universidade Federal do Tocantins, Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/Ulbra) e parcerias da Feira das Manas e do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case).

 

Confira a programação

 

Local: Espaço Cultural José Gomes Sobrinho

Data: 28/05

Até às 18 horas - Mercado de Economia Solidária e Ateliê Aberto

13 horas - Espetáculo Circense

13h30 - Feira de troca: traga suas coisas e faça trocas criativas

14 horas - Oficinas e vivências: Teatro do Oprimido, Danças circulares, Percussão, Mandalas artísticas, Hip Hop

16 horas - Cine Cultura + Debate. Filme: Epidemia das cores

18 horas - Cortejo Musical com bloco Desencuca (GO), Baque Mulher (TO) e Coró Mulher (TO)

19 horas - Cine Cultura + Debate: Filme Nise - O coração da loucura

 

 



Edição e postagem: Lorena Karlla