I Simpósio sobre Manejo Populacional de Capivaras termina nesta quinta, 22

Fundação Municipal de Meio Ambiente

Autor: Georgethe Pinheiro | Publicado em 21 de agosto de 2019 às 18:02

Foram quatro dias de discussões e capacitações sobre a interação entre seres humanos e estes animais no espaço urbano


 

Termina nesta quita-feira, 22, às 17h30, o I Simpósio sobre Manejo Populacional de Capivaras, realizado pela Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMA), que em conjunto com parceiros buscou debater sobre formas adequadas e alternativas de manejo e monitoramento da população desses animais em Palmas. O evento está acontecendo na Universidade Católica do Tocantins (UniCatólica) e na Ulbra, além das atividades de campo realizadas no Parque Cesamar. São parceiros da FMA no evento a Guarda Metropolitana de Palmas (GMP) e a Secretaria Municipal de Saúde (Semus).

 

Durante o evento foi tratado sobre o diagnóstico populacional de capivaras realizado em 2018, que identificou 172 indivíduos da espécie, entre as quais, 74 pertenciam a um único grupo, que tem o Parque Cesamar como espaço de convivência. Também foram tratados sobre os cuidados necessários para o convívio harmonioso entre animais e ser humano e a circulação das capivaras na cidade.

 

Uma das preocupações da população em relação às capivaras nos espaços urbanos é pela possibilidade de ocorrência de febre maculosa, uma vez que estes animais são hospedeiros naturais do carrapato estrela, responsável pela transmissão da doença. No entanto, a presidente da Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMA), Meire Carreira e o secretário municipal de Saúde (Semus), Daniel Borini, afirmaram que não são registrados casos da doença em Palmas.

 

Porém, eles afirmaram sobre a importância do trabalho preventivo para garantir a segurança tanto dos animais, quanto dos cidadãos que frequentam o Parque.

 

Na terça-feira, 20, foram tratados de temas como ‘Controle ético de capivaras em centros urbanos’, ‘Existem riscos ao se manejar grandes roedores selvagens?’, ‘A Extrapolação Alométrica como ferramenta na contenção farmacológica de grandes roedores’ e ‘Modulação comportamental: uma aliada no manejo de animais selvagens’.

 

Os dois primeiros dias, dedicados à parte teórica, foram abertos ao público. Já esta quarta e quinta-feira, dias 21 e 22, respectivamente serão restritos aos técnicos da FMA e médicos veterinários parceiros do projeto.

 

Nesta quarta-feira as atividades foram divididas entre a UniCatólica, onde os técnicos aprenderam sobre utilização de farmacos e confecção de dardos. No Parque Cesamar, as atividades foram de simulação do uso dos dardos. 

 

Na quinta-feira, 22, as atividades serão práticas, e os participantes serão capacitados sobre cirurgia, no Hospital Veterinário do Ceulp/Ulbra.

 

Os animais

 

As capivaras são grandes mamíferos, herbívoros, que vivem em grupos, próximo a córregos e lagos, e que em Palmas sofrem pouca ameaça de predadores. Indicadores do crescimento desses grupos, especialmente o grupo instalado no Parque Cesamar, levantaram questionamentos acerca do ritmo de reprodução desses animais silvestres e questionamentos sobre como garantir que a proximidade dessa espécie com o homem e, especialmente, como realizar a prevenção de problemas ambientais e de saúde pública que podem surgir diante de um crescimento desordenado da população de capivaras.

 

Programação

 

Quinta-feira, Dia 22

 

 

 

8h – 12h

 

PRÁTICA II: Cirurgia

 

Local: Hospital Veterinário do Ceulp/Ulbra

 

(Público alvo: Médicos Veterinários participantes do projeto)

 

 

 

14h – 17h30

 

PRÁTICA III: Cirurgia

 

LOCAL: Hospital Veterinário do Ceulp/Ulbra

 

(Público alvo: Médicos Veterinários participantes do projeto)

 

 

Edição e postagem: Lorena Karlla