Julho Amarelo: Secretaria Municipal da Saúde chama à atenção para a prevenção da Hepatite em Palmas

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 02 de julho de 2020 às 16:25

Na Capital, as testagens são realizadas nos Centros de Saúde da Comunidade e os casos positivos são encaminhados para acompanhamento e tratamento no Núcleo de Atendimento (Henfil)

 

Conhecida como uma inflamação do fígado, a hepatite é uma doença que pode surgir no organismo devido a várias possíveis causas, entre elas, a causa viral dos tipos A, B e C, uso de álcool, medicamentos e outras doenças metabólicas e autoimunes. Como a enfermidade é considerada um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, o Ministério da Saúde instituiu o Julho Amarelo, que é o período da campanha de prevenção contra a enfermidade.


Para contribuir no combate ao vírus, a Rede Municipal de Saúde de Palmas tem realizado ampla sondagem através de testes rápidos que realizados nos Centros de Saúde da Comunidade (CSCs) e também por meio de campanhas em pontos estratégicos da cidade. “Os casos positivos da doença são encaminhados para o Núcleo de Assistência – Henfil. No local realizamos investigação, orientação, acompanhamento e tratamento dos casos necessários”, informa a médica gastroenterologista Maria Augusta de Oliveira.


Doença


A especialista da rede municipal de saúde explica ainda que a hepatite pode evoluir com inflamação leve a grave no fígado e, em alguns casos, avançar como hepatite crônica e em situações mais sérias, ainda pode ocasionar falência do fígado e até provocar a morte do paciente. “Porém, as hepatites têm tratamento acessível pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Elas podem ser curadas, quando se elimina o vírus, ou controladas quando o vírus não é eliminado, mas que pode ser mantido com carga viral muito baixa. Mas temos que ter consciência de que, como é uma doença que pode evoluir com gravidade, quando não tratada, então pode sim levar à morte”, completa.


A médica explica que o contágio, no caso das hepatites virais, pode se dar por água e alimentos contaminados, como na Hepatite A e por via sexual (sem uso de preservativos) e transmissão parenteral, que são as agulhas contaminadas, materiais perfuro-cortantes não esterilizados adequadamente, como alicates de manicure, por exemplo. “Já para o vírus das Hepatites B e C, também pode ocorrer transmissão vertical, ou seja, da mãe para o filho, principalmente nos casos de Hepatite B”, observa.


A gastroenterologista ainda alerta as hepatites virais são doenças silenciosas, que nem sempre apresentam sintomas. “Quando estes aparecem, podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras”, informa.


Palmas


A médica ressalta que em Palmas, nos últimos anos, tem ocorrido maior detecção dos casos novos, ainda não tratados, principalmente das Hepatites B e C, que podem evoluir para cronicidade e assim, precisam ser tratadas.


Ela orienta que as testagens são realizadas nos Centros de Saúde da Comunidade e os casos positivos são encaminhados para acompanhamento e tratamento no Núcleo de Atendimento (Henfil). “No Henfil temos ambulatório especializado para esta finalidade e toda uma equipe de apoio responsável para tratar a doença”, finaliza.