No Dia Nacional de Combate ao Fumo, Semus reforça que disponibiliza tratamento gratuito para quem quer parar de fumar

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 28 de agosto de 2019 às 15:17

Interessados em deixar de fumar podem procurar o Centro de Saúde da Comunidade que serão encaminhados para os grupos de apoio


Nesta quinta-feira, 29 de agosto, é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo, e o  tema escolhido para ser trabalhado na campanha de conscientização foi “Tabaco e saúde pulmonar – o uso do narguilé”, para advertir a população sobre os riscos de doenças pulmonares oriundas do consumo de tabaco e de seus produtos derivados, incluindo o narguilé. 

 


Sobre o narguilé, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) atribui ao mesmo uma característica peculiar: um único cachimbo pode ser usado por várias pessoas simultaneamente. Para o Inca, isso reforça o aspecto de socialização, algo muito atraente, especialmente para os jovens. Além disso, há a falsa sensação de que o narguilé, por ser usado com água, não causa mal à saúde.

 


De acordo com a Organização Mundial de Saúde, por causa da dependência à nicotina, que é de 70% a 90% entre os fumantes regulares, estudos comprovam que 80% dos fumantes querem parar de fumar, porém somente 3% conseguem a cada ano.

 


Em Palmas, a Secretaria Municipal de Saúde disponibiliza tratamento gratuito para quem quer deixar de fumar. Pelo Sistema Único de Saúde, em 2018, 104 usuários participaram dos Grupos de Apoio Terapêutico ao Tabagista, dos quais 71 concluíram todas as etapas do tratamento. Atualmente 34 pessoas estão em tratamento na Capital nos chamados grupos de manutenção.

 

 

Como funciona?

 

 

Nos grupos de apoio, os usuários são motivados a deixar de fumar e tem acesso aos métodos eficazes para tratamento da dependência da nicotina. Os métodos de tratamento utilizados no ambulatório são dois: a Abordagem Cognitivo-Comportamental e a utilização de medicação, quando necessária, de acordo com cada caso.

 

 

O atendimento é preconizado pelo Ministério da Saúde, onde os pacientes participam de sessões de grupo semanais (1º mês), quinzenais (2º mês) e mensais (3ºmês). “De acordo com a dependência à nicotina e aos sintomas da síndrome de abstinência é utilizada a medicação preconizada. Quando necessário, os pacientes também são atendidos em consultas individuais pela equipe ou em grupos de manutenção”, informa a fonoaudióloga e coordenadora do Programa Municipal de Controle do Tabagismo, Andreza Domingos.

 

 

Na  Capital, existem atualmente quatro grupos em funcionamento, localizados nos Centros de Saúde da Comunidade Laurides Milhomem (Jardim Aureny III), Professora Isabel Auler (Arso 23), Valéria Martins (Arse 122) e na Arno 71.


 

“Qualquer paciente que tenha interesse em parar de fumar e necessite de apoio, deve procurar seu Centro de Saúde de referência, que fará o encaminhamento para o grupo mais próximo”, ressalta a coordenadora.

 





 

Edição e postagem: Lorena Karlla