Número de notificações de casos de dengue cai, mas Prefeitura dará continuidade a mutirões

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 11 de março de 2019 às 18:06

Prefeitura realizará mobilização contra a dengue nas regiões Norte e Sul da Capital 


Conforme dados preliminares do Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa), realizado no final do mês de fevereiro, depois da intensificação das ações de combate e prevenção do mosquito, incluindo as aplicações do inseticida UBV, conhecido como fumacê, o número de notificações de casos de dengue caíram. O secretário da Saúde de Palmas, Daniel Borini, reuniu, na manhã desta segunda-feira, 11, a equipe da Unidade de Vigilância e Controle de Zoonoses de Palmas (UVCZ), representantes de várias áreas da gestão municipal para apresentar os dados.

 

Alguns exemplos de quadras que apresentaram redução de casos são a Arne 13, Arno 31, Arno 33, Arno 42, Arse 13, Arse 14, Arse 23 e Jardim Aureny III, que passaram de 166 para 72 notificações (entre o período de 27 de janeiro a 23 de fevereiro). O índice de infestação também teve queda de 4,1 para 3,7, situação considerada satisfatória pelos órgãos públicos.

 

Daniel Borini aproveitou o momento em que todas as pastas da Prefeitura estavam representadas e reforçou a importância do apoio de todas as áreas da gestão na prevenção do mosquito. “Juntos iniciamos uma força tarefa que já surtiu efeito, mas ainda precisamos estar vigilantes a outros indicadores, como, por exemplo, o número de imóveis que ficaram sem visitar, porque são considerados pontos estratégicos para atuação”, apontou o secretário, observando ainda que é preciso observar outros detalhes. “Precisamos acompanhar também, junto como os nossos agentes de Combate às Endemias e os técnicos da área, as ocorrências de casos suspeitos, reclamações da população sobre surgimento de criadouros de vetores, além de acompanhar a condição ambiental da nossa cidade”, observa o secretário.

 

Ainda em sua fala, Borini solicitou a união de todos, Município e Estado para que as ações continuem e sejam reforçadas em duas grandes mobilizações na Capital, onde o poder público e a comunidade estejam juntos. “Com o apoio de todas as áreas vamos promover dois dias de mobilização contra a dengue. Uma grande ação na região Norte e Sul de Palmas. Nestas duas ocasiões, vamos levar informações e serviços aos moradores”, explica o gestor pontuando que o objetivo da ação é eliminar os criadouros e orientar a população para dedicar o sábado como o dia de combate aos focos do mosquito.

 

Mobilização Contra a Dengue

 

Para reforçar a prevenção e o combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, a Prefeitura de Palmas vai realizar a Mobilização Intersetorial de Combate ao Aedes Aegypti. A iniciativa vai contar com diversas atividades como visitas domiciliares, orientação e distribuição de panfletos para a população, limpezas, inspeções e monitoramento dos criadores. A ação vai acontecer em dois momentos, sendo o primeiro no dia 23 de março, a partir das 9h, na região norte de Palmas e outro no dia 30 deste mês, na região Sul.

 

A diretora de Vigilância das Doenças Vetoriais e Zoonoses, da SES, Mary Ruth Batista Glória Maia, representante da saúde do Estado enfatizou que neste momento de epidemia todos devem ser mobilizados para o controle do Aedes. “A saúde sozinha não tem condições de controlar o avanço das doenças transmitidas pelo Aedes. As ações de controle devem ser efetivas, contando com o envolvimento de secretarias, desde o Meio Ambiente, Educação, Infraestrutura e outras que podem ajudar no controle populacional do mosquito. Ainda teremos mais dois meses de chuvas intensas no Estado, e a forma mais barata e eficaz de controle é a eliminação dos criadouros do mosquito com a conscientização também da sociedade”, salientou.

 

Nova programação

 

A gerente da UVCZ, Betânia Costa, diz que diante do resultado preliminar, a equipe da saúde fará uma nova programação para atuar nas quadras que ainda se encontram com riscos de manifestações de novos casos e naqueles locais considerados extremamente estratégicos, como comércios, garagens de carros, prédios abandonados entre outros. “Solicitamos novamente a autorização do Estado para dar continuidade com as aplicações do inseticida do fumacê, estamos aguardando a resposta. Porém, o fumacê não é ferramenta única para o controle e prevenção das arboviroses. Vamos intensificar as ações de controle, mas cada morador deve fazer a sua parte”, reforça Sidney.

 

O LIRAa e o Levantamento de Índice Amostral (LIA) foram desenvolvidos em 2002, para atender à necessidade dos gestores e profissionais que operacionalizam o controle das arboviroses de dispor de informações entomológicas em um ponto no tempo (antes do início do verão) antecedendo o período de maior transmissão, com vistas ao fortalecimento das ações de combate vetorial nas áreas de maior risco.

 





Edição e postagem: Lorena Karlla