Nupav Rede Mulher realiza evento marcando o início da campanha ‘16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres’

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 09 de novembro de 2019 às 14:14

Evento ocorreu no Parque Cesamar


O Parque Cesamar foi o local escolhido para colocar em evidência o problema da violência contra as mulheres, na noite de sexta-feira, 8. O Núcleo de Vigilância e Prevenção de Violências e Acidentes, Promoção da Saúde e Cultura de Paz (Nupav Rede Mulher) reuniu no local os integrantes da rede de proteção feminina para marcar o início da campanha ‘16 dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contras as Mulheres’.


No evento aconteceram apresentações da Banda Tenente Milton Caetano (Corpo de Bombeiros), do grupo de Teatro da Universidade Federal do Tocantins (UFT), além de exposições da Feira das Manas e da Patrulha Maria da Penha. As mulheres que passaram pelo local também tiveram a oportunidade de receber orientações da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), Secretaria Municipal de Saúde (Semus), Ministério Público e da Defensoria Pública. Ocorreram também atividades físicas e foram ofertados testes rápidos para detecção de infecções sexualmente transmissíveis (HIV, Sífilis, Hepatite B e C).


A campanha ‘16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres’ é uma mobilização mundial apoiada pela Organização das Nações Unidas (ONU), cujo objetivo é debater, difundir informações e provocar mudanças sociais acerca da violência contra o gênero feminino.


O secretário municipal de Saúde, Daniel Borini, disse que a violência contra as mulheres é uma questão de saúde pública, porém, vai muito além disso porque é um problema social e cultural. “O Nupav está sediado da Secretaria Municipal de Saúde e tem o papel de agregar os diversos órgãos e atores sociais no enfrentamento desse grave problema que é a violência contra as mulheres”, destacou.


A Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE) integra a rede de atendimento e proteção às mulheres vítimas de violência. A defensora Vanda Sueli Machado ressaltou que o trabalho em conjunto dos diversos órgãos é fundamental para o acolhimento das mulheres e para que não sejam revitimizadas pela violência. “O trabalho da DPE é de assistência jurídica para as vítimas, com medidas protetivas, processos criminais e demandas de família. Trabalhamos também com a prevenção, por meio de campanhas, palestras e o acionamento de órgãos que não estejam efetivando a política pública da mulher”, afirmou a defensora.


A jovem estudante Sara de Jesus dos Santos, 16 anos, participou do evento e demonstrou ter consciência do problema que acomete tantas mulheres no Brasil e no mundo. Ela disse que compareceu ao local para reforçar a luta contra a violência e pela igualdade de gêneros e afirmou ainda que trata-se de “um problema estrutural que afeta os homens com masculinidade tóxica, causando agressões e feminicídios. Mulheres morrem, apanham e as pessoas acham que elas caíram da escada, que estão mentindo ou estão querendo ganhar algum dinheiro em cima disso, sendo que elas só querem ser protegidas e terem os seus direitos garantidos”.


O Nupav


O Núcleo é composto por várias instituições como Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deam), Ministério Público, Polícia Militar, Corpo de Bombeiro, Secretarias Estaduais da Cidadania e Justiça (Seciju) e da Saúde (Sesau), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/TO), Associação Brasileira de Mulheres de Carreira Jurídica (ABMCJ/TO), Defensoria Pública, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Sedes), Tribunal de Justiça do Tocantins, Instituto Médico legal, Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs), hospitais Geral de Palmas (HGP) e Dona Regina, Centro Flor de Lis, Núcleo Maria da Penha, Câmara Municipal de Vereadores de Palmas, dentre outras instituições no âmbito estadual e municipal. 

 

 





Edição: Lorena Karlla