Pioneiros no Servir: memórias de quem acompanhou muitas transformações e estabeleceu vínculos de amizade e confiança

Instituto 20 de Maio de Ensino, Ciência e Tecnologia

Autor: Neuracy Viana | Publicado em 24 de outubro de 2019 às 09:22

Joana D'arc Nolasco é auxiliar administrativo, sempre trabalhando no departamento de Comunicação; hoje, se orgulha de ter contribuído para o desenvolvimento de Palmas

Joana D'arc Rosa Nolasco é capixaba de nascimento e morou por alguns anos no estado do Pará, mas foi no Tocantins, na sua capital, Palmas, que obteve muitas das suas conquistas na área profissional, como servidora pública municipal. Na Prefeitura desde 1992, após aprovação no primeiro concurso, a auxiliar administrativo é a quarta servidora da série 'Pioneiros no Servir', que está sendo publicada durante esta semana, em homenagem ao Dia do Servidor Público, 28 de outubro.

 

Ao longo de sua jornada no Município, Joana acumula muitas histórias e experiências, sempre atuando no departamento de Comunicação da Prefeitura, antes assessoria, hoje Secretaria de Comunicação. De suas lembranças do início de Palmas, a servidora cita o convívio mais próximo com os colegas e o vínculo de confiança que tinham um pelo outro.

 

“A confiança era tanta que muitas coisas aconteciam na base da informalidade”, diz, contando que, no início, chegava a receber os salários de muitos colegas com quem trabalhou, e depois repassava. Os pagamentos eram feitos numa estrutura instalada na porta do Paço Municipal, onde se formava uma grande fila. “O pessoal do banco chegava entre 8 e 9 horas e muitos colegas pediam para que eu recebesse  o dinheiro”, explica. 

 

Sobre as dificuldades da época, Joana fala sobre o transporte e a infraestrutura da cidade. “Eu morava em Taquaralto e os ônibus eram poucos. Tinha os horários específicos para a gente vir trabalhar, e quando os ônibus chegavam eram cheios”, conta, lembrando que, quando alguém perdia o transporte, chegava uma ou duas horas depois no trabalho.

 

Em suas memórias, Joana recorda-se também das lanchonetes e restaurantes que ficavam nas imediações do antigo Paço Municipal. Na época, ela conta que nem existia ainda a Praça do Bosque. Por causa da distância e das dificuldades de locomoção, comenta que muitos servidores municipais faziam suas refeições nesses pontos comerciais e que alguns proprietários continuam no ramo até hoje.

 

Muitas mudanças

 

Para a servidora, ao longo desses anos, muita coisa mudou. “A Prefeitura ganhou um novo prédio (Buriti), ao lado do antigo Paço. A gente sonhava de ter todas as secretarias próximas, para facilitar o trabalho administrativo, e gerar economia para o serviço público”, comenta, citando, também a pavimentação asfáltica da cidade e a Praça do Bosque, pois segundo ela, antes não existia nenhuma obra pública na frente do antigo prédio da Prefeitura. “A gente chegava só a poeira e o cabelo duro”.

 

Joana destaca que hoje Palmas é outra. “Quem dizia há uns dez anos atrás que Palmas teria prédio?” A servidora diz que sente saudade da época em que todos eram mais próximos. “Era tipo uma família que a gente tinha no local de trabalho”, diz, comentando que, hoje, mesmo havendo amizade, não é a mesma coisa, a cidade cresceu muito.

 

Pioneirismo e trabalho

 

Como servidora pioneira, Joana se considera privilegiada por ter participado de alguma forma, com o seu trabalho, para o crescimento de Palmas. “Trabalhei bastante para ver a cidade chegar a esse ponto. Sou feliz e honrada por morar em Palmas”.

 

Para Joana, ser servidor público é ser honesto acima de tudo, com ele mesmo e com aqueles a quem serve, e também trabalhar direito. “O serviço público oferece muitas coisas boas, então temos que procurar o caminho certo e seguir esse caminho, porque se houver desvio, muita gente é prejudicada”, conclui.