Prefeitura promove 1º Seminário Convivência Familiar e Comunitária nesta terça, 19

Secretaria do Desenvolvimento Social

Autor: Wédila Jácome | Publicado em 18 de novembro de 2019 às 17:53

O evento acontece no auditório da Universidade Federal do Tocantins – UFT, Campus Palmas, das 8 às 18 horas


Com abordagens voltadas para a implementação do serviço de acolhimento familiar, apadrinhamento afetivo e o reordenamento do serviço de Acolhimento Institucional, a Prefeitura de Palmas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, realiza o 1º Seminário Convivência Familiar e Comunitária, voltado aos profissionais de entidades que trabalham com acolhimento de crianças e adolescentes em situação de risco.


O evento acontece nesta terça-feira, 19, no auditório da Universidade Federal do Tocantins – UFT, Campus Palmas, das 8 às 18 horas. E na quarta-feira, 20, acontece a Oficina de Avaliação do Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, no auditório da Universidade Unopar, das 8 às 18 horas.


A diretora de Proteção Especial, Suellem Manzano, ressalta que o direito da criança e do adolescente de ser criado e educado no seio de sua família está consagrado na legislação brasileira (CF art. 227). “Entretanto, para que os direitos fundamentais de crianças e adolescentes sejam consolidados e efetivamente assegurados, é necessário que as políticas públicas, serviços/programas e ações passem por mudanças socioculturais, legais, metodológicas e pedagógicas que contribuam para qualificação da política de atenção/proteção à infância e à adolescência”.


Ela lembra ainda que essas mudanças perpassam por uma “nova” organização do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e outras normativas correlatas ao direto da criança e do adolescente, elegendo a família como foco central de atenção. “Nesse horizonte, o direito a Convivência Familiar e Comunitária com a previsão de serviços de caráter preventivo e de fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, de atendimento especializado a indivíduos e famílias em situação de ameaça ou violação de direitos e de serviços de acolhimento para crianças e adolescentes tem importância basilar no que diz respeito à concretização desde direito”, avalia.

 




Edição: Lorena Karlla