Profissionais do SUS iniciam pós-graduação em Gestão de Políticas de Saúde ofertada pelo Sírio Libanês

Fundação Escola de Saúde Pública

Autor: Redação Semus | Publicado em 07 de maio de 2019 às 14:17

Curso consiste em 14 encontros presenciais até outubro de 2020

Gestores, pesquisadores e trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS) selecionados para o curso de pós-graduação em Gestão de Políticas de Saúde Informadas por Evidências iniciaram na manhã desta terça-feira, 07, o primeiro de 14 encontros presenciais que ocorrerão ao longo do curso. A aula inaugural aconteceu no Instituto 20 de Maio com a presença de gestores da saúde e representantes dos conselhos Municipal e Estadual de Saúde.

 

A formação é ofertada pelo Instituto de Ensino e Pesquisa Hospital Sírio Libanês e o Ministério da Saúde, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, a Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp), a Escola Tocantinense do Sistema Único de Saúde Dr. Gismar Gomes (ETSUS) e a Universidade Federal do Tocantins (UFT). O curso segue até outubro de 2020, com 14 encontros presenciais tendo a duração de três dias cada encontro.

 

A presidente da Fesp, Jaciela Leopoldino, ressaltou que a instituição em parceria com a Semus vem desenvolvendo estratégias que visam melhorar os serviços de saúde na Capital. “A Fesp e Semus foram contempladas com especializações do Sírio Libanês em outras oportunidades e na prática nós vimos o resultado. Esse novo projeto colabora com o reconhecimento da pesquisa nos processos de saúde e contribuirá para a formação dos nossos trabalhadores do SUS”, destacou.

 

A diretora da ETSUS, Fabiola Sandini Braga, ressaltou que a região Norte do País carece de formação em várias áreas e que vê com bons olhos essa parceria com o Sírio Libanês. “A gente espera que seja frutífera, que os projetos que vão sair daqui possam romper e melhorar a qualidade do serviço ofertado. Já fui facilitadora dos cursos da instituição e sei que ninguém sai da mesma forma que entra”, ressaltou.

 

O médico sanitarista, apoiador e facilitador do curso, Arthur Ferreira, falou da necessidade de aproximar mais o conhecimento acadêmico com os serviços de saúde. “Enquanto docente, nos lugares em que passei ajudei na construção de escolas de saúde. Aqui, já temos escolas de saúde, entretanto, espero que a gente consiga aproximar o serviço da academia e a academia do serviço. O curso vai não só nos ajudar na tomada de decisão, mas principalmente a ajudar a gestão”, frisou.

 

Metodologia

 

O curso Projeto de Políticas de Saúde Informados em Evidências (Espie) utiliza metodologias ativas de ensino aprendizagem e tem o objetivo de qualificar a gestão de políticas de saúde por meio do uso sistemático e transparente do conhecimento decisório, capacitando gestores e apoiadores e promovendo a formação e implementação de planos de ação.

 

Um dos pós-graduandos é o fisioterapeuta e preceptor da Residência Multiprofissional da Fesp, Mário Freire. “A expectativa é de transformação no cenário de campo. O curso nos impõe a fazer projeto de extensão para atividade em campo, baseado nas evidências que a gente tem na análise situacional e assim fazer uma transformação naquele cenário. Acredito que pela chancela do curso Sírio Libanês e pela vocação da Fesp, todos os participantes vão aproveitar bastante para se capacitarem mais para as nossas batalhas diárias na saúde”, disse.

 



Revisão e postagem: Iara Cruz