Projeto desenvolvido pela Fesp é selecionado como experiência exitosa do Norte do país

Fundação Escola de Saúde Pública

Autor: Redação Fesp | Publicado em 28 de outubro de 2022 às 12:24

Núcleo de Apoio à Avaliação das Residências da Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas é legado do projeto de intervenção

A Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp) recebeu nesta quinta-feira, 27, representantes do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês (IEP/HSL) para conhecer de perto a efetividade do projeto de intervenção implementado no triênio 2018/2021. O projeto do Desenvolvimento da Gestão de Programas de Residência e da Preceptoria no SUS (DGPSUS) do IEP/HSL, intitulado ‘Alinhamento dos processos de avaliação dos Programas de Residência em Saúde que compõem o PIRS’ foi o único selecionado da região Norte do país. O projeto resultou em importante ferramenta avaliativa para os programas de residência do Plano Integrado de Residências (PIRS) Fesp até encorpar e se transformar no Núcleo de Apoio à Avaliação (NAAV) da instituição.

Durante a visita, os coordenadores nacionais do DGPSUS, Romeu Gomes, Everton Soeiro e José Maurício de Oliveira, passaram por dois momentos: entrevistas individualizadas com pesquisadores pela manhã e, à tarde, um momento coletivo onde realizaram coleta de informações sobre o projeto de intervenção selecionado, fruto da especialização na área de preceptoria Gestão de Programas de Residência em Saúde no SUS (GPRS).

“É uma satisfação imensa receber representantes do Hospital Sírio-Libanês em nossa ‘casa’, pois muitos dos nossos colaboradores integram projetos desenvolvidos em parceria com eles. Podemos ver um brilho diferente no olhar dessas pessoas, afinal, o Sírio é referência no país. O trabalho desenvolvido com o Sírio tem possibilitado que a gente se fortaleça porque vai além do processo formativo, ele representa um ganho social, pois são profissionais que levam este conhecimento por onde passam. Aqui mesmo na rede municipal de saúde, além dos profissionais da Fesp que estão em formação, temos diversos trabalhadores que atuam na Secretaria da Saúde que já se qualificaram e essa parceria enaltece todo o esforço, ela é um troféu para todos nós enquanto sociedade, ganham a gestão e o cidadão”, enfatizou o presidente da Fesp, Robson Vila Nova. 

“A gente está atrás dessas pessoas com brilho no olhar. Uma das coisas que nos orgulha é encontrar esse diálogo com muita gente egressa dos cursos que ofertamos. Temos um movimento claro em ser abrangente, de estar em todo o país, de se interiorizar, ir além das capitais. Nosso olhar é que é importante não apenas ter profissionais de saúde em cada canto do Brasil, mas profissionais bem capacitados. É o caso de Palmas, onde temos longa relação com a cidade e com a Fesp. Hoje estamos aqui para ver de perto essa experiência exitosa selecionada e estamos saindo muito satisfeitos, pois é através de experiências como essas que a gente consegue ver que estamos fazendo a diferença no nosso país”, ponderou o coordenador nacional do DGPSUS, Everton Soeiro.

 

Sobre o projeto

Com o título: ‘Alinhamento dos Processos de Avaliação dos Programas de Residência em Saúde que Compõem o PIRS’, o projeto de intervenção de autoria da egressa do curso de preceptoria em Gestão de Programas de Residência em Saúde no SUS (GPRS), a coordenadora do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva, Nadja Figueiredo, foi o trabalho selecionado. O projeto é de autoria, ainda, das colaboradoras da Fesp: supervisora do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade, Anne Leites; coordenadora do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade, Karolyne Botelho, com apoio da gestora de Projeto, Mariza Borges Brito de Souza. 

“Nós fizemos um projeto de intervenção no qual a ideia era qualificar os processos de avaliação do plano de residência. Nós não tínhamos um plano de avaliação, eram apenas instrumentos sem um plano norteador e a proposta foi a construção do núcleo avaliador da Fesp que hoje está dentro da estrutura do PIRS, que é o Núcleo de Apoio e Avaliação [NAAV]. Criamos o plano de avaliação contendo diretrizes pedagógicas, fluxo e instrumentos de avaliação; é um documento norteador. Além disso, fizemos a implementação desse documento na Rede por meio de oficinas de capacitação de tutores, preceptores e coordenadores dos programas de residências. Foi ótimo recebê-los e compartilhar o resultado do nosso produto com os coordenadores de forma presencial. É o reflexo do movimento que eles fazem dar certo”, disse Nadja.