Residentes da Fesp encerram Novembro Azul com ação em Taquaruçu nesta terça, 30

Fundação Escola de Saúde Pública

Autor: Secom - Redação | Publicado em 30 de novembro de 2021 às 18:22

Evento acontece das 18h30 às 22 horas, na USF Walter Morato

Um mês dedicado à promoção, debate e reflexão sobre cuidados da saúde do homem. Assim foi a vivência dos residentes da Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp) no mês que celebra a campanha internacional de combate ao câncer de próstata, o Novembro Azul. Nesta terça-feira, 30, será a última ação voltada ao tema na Unidade de Saúde da Família (USF), Walter Morato, no distrito de Taquaruçu, das 18h30 às 22 horas.

Consultas médicas, palestras educativas, atendimento odontológico, orientações sobre prevenção e diagnóstico das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) por meio de testes rápidos, avaliação odontológica e corte de cabelo foram algumas das ações realizadas ao longo do mês por várias USFs, como a do Morada do Sol, Novo Horizonte, Francisco Júnior, José Hermes, Isabel Auler, Santa Fé, e das Arnos 41 (403 Norte), Arno 42 (405 Norte) e Arno 44 (409 Norte).

A residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade, Aline Matos, explica que com decoração temática, este foi um momento de resgate com os assistidos já que muitas unidades tiveram suas dinâmicas presenciais suspensas em virtude da pandemia do novo coronavírus. “Quando entrei na residência em 2020 tivemos uma semana de vivência presencial e após isso veio a paralisação pela pandemia, então vivenciamos poucas ações em público, pelas restrições, maioria dos planejamentos tiveram que visar o on-line.”

“Após 20 meses de residência, pude enfim palestrar e fazer ações de promoção da saúde, que é o foco da atenção básica. Fizemos uma ação na sala de espera da unidade, com equipe de enfermagem, agentes de saúde e demais profissionais da equipe multiprofissional, e era notória a empolgação dos pacientes como também da equipe da unidade. Se me pedir para resumir a semana de ações é: voltar a me sentir útil, que as pessoas querem ajuda, e que podemos ajudar. Estar ali perto, ter o toque humano, o olho no olho, é um resgate do humano, tanto para eles quanto para a gente. Até hoje na residência foi minha melhor semana”, descreveu a residente Aline.

O câncer de próstata é o tipo mais comum no homem, causador por mais de 28% de óbitos da população masculina, conforme aponta o Instituto Nacional do Câncer (Inca). “A prevenção é a melhor forma de se cuidar, buscando com que o paciente esteja sempre em dia nas consultas de rotina, realizando os exames necessários adequadamente, por isso, o engajamento dos nossos residentes em ações como essas são tão importantes, elas ajudam a salvar vidas”, reforça a coordenadora do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade, Karolyne Botelho.

No município são ofertados exames de diagnóstico pelo SUS como: biopsia de próstata, ultrassonografia de próstata por via abdominal, ultrassonografia de próstata (via transretal) e a dosagem de antígeno prostático específico (PSA).

Sintomas

Na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. Na fase avançada, os sintomas são:

• dor óssea;

• dores ao urinar;

• vontade de urinar com frequência;

• presença de sangue na urina e/ou no sêmen.

 

Prevenção

A única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos, e sobre o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico).

Cerca de 20% dos pacientes com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no toque retal. Outros exames poderão ser solicitados se houver suspeita de câncer de próstata, como as biópsias, que retiram fragmentos da próstata para análise, guiadas pelo ultrassom transretal. (Com informações do Ministério da Saúde)