Residentes e preceptores em saúde levam atendimentos para a comunidade em vulnerabilidade social da região Sul de Palmas

Fundação Escola de Saúde Pública

Autor: Redação Fesp | Publicado em 02 de dezembro de 2019 às 18:27

A Capadócia foi eleita pelos residentes

A comunidade da Capadócia, situada na região Sul de Palmas, recebeu neste final de semana, várias ações de promoção à saúde. Os atendimentos às famílias do setor, que na sua grande maioria é composta por moradores que vivem em situação de vulnerabilidade, foram realizados pelos profissionais de saúde que fazem parte do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp). Preceptores e residentes elegeram a região para oferecer a comunidade atenção integral à saúde que é uma das propostas da residência de Saúde Coletiva.

 

 

A preceptora Nadja Coelho explica que a ideia dessa ação era que os residentes elaborassem as atividades voltadas para as necessidades da comunidade. Em conjunto, escolhemos a Capadócia porque já éramos parceiros do projeto ‘Comitiva Esperança’ que leva serviços de educação e saúde para o setor todos os sábados. Para melhor atender as necessidades dos moradores, os residentes dividiram as ações em eixos tendo como base a vigilância em saúde, a promoção dos cuidados, a prevenção da infecção sexualmente transmissível, hanseníase, saúde bucal e arboviroses”, pontuou a profissional lembrando que a intenção foi tirar os residentes do mundo da gestão e trabalhar in loco os serviços coletivos de saúde pública como também a saúde mental, reprodutiva, maternidade na adolescência entre outras.

 

 

Nadja destaca ainda a importância do trabalho coletivo dos preceptores, que segunda ela justifica, a relevância da participação da preceptoria no serviço. “O preceptor em serviço consegue trabalhar a teoria e prática ao mesmo tempo. Com a ação na Capadócia tivemos a oportunidade de visualizar bem os papéis. Na tutoria o preceptor consegue junto com o residente levar os ensinamentos para prática”, observa a preceptora justificando que lá na comunidade, os residentes puderam mais uma vez, acolher a teoria das competências que eles irão adquirir no percurso da Residência e também aplicá-las na prática. 

 

 

A residente Ana Paula Barbosa conta que a ação na Capadócia fechou o ciclo da formação dos residentes este ano. Para ela, as ações trabalhadas com diversas atividades desenvolvidas pelos residentes dentro e fora de seus cenários de prática foram fundamentais para o processo de ensino e serviço da especialização. “Conseguimos oferecer atividades para os moradores da região de todas as faixas etárias. As ações abordaram temas diversificados, visando levar informação como forma de melhorar a saúde da comunidade”, lembrou a residente.