Residentes em Saúde Coletiva da Fesp fazem visitas técnicas ao Aterro Sanitário e à ETE da Capital

Fundação Escola de Saúde Pública

Autor: Redação Fesp | Publicado em 08 de agosto de 2022 às 10:16

Reflexão crítico-reflexiva da realidade local é a proposta da Unidade Educacional Gestão do Cuidado Coletivo

Os residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva da Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp) participaram na manhã desta segunda-feira, 08, de visitas técnicas ao Aterro Sanitário e à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Norte na Capital. Divididos em duas turmas, os momentos serviram para oportunizar que estes serviços tragam aprendizado prático para o campo da saúde coletiva dos palmenses.

A coordenadora da residência, Nadja Figueiredo, explicou que as visitas técnicas fazem parte do cronograma do plano de ensino e a partir delas é possível que eles, como sanitaristas, possam traçar estratégias de intervenção para essa realidade. “A visita será debatida principalmente na próxima segunda dentro da disciplina ‘Gestão do cuidado coletivo’, mas será utilizada ao longo do processo de formação dos residentes”, explicou o tutor, Ícaro Gonçalves que acompanhou os residentes na visita a ETE Norte, ao lado da tutora Izadora Lopes. “Foi ótima! Bastante proveitosa! Foi possível associar as falas teóricas sobre o olhar do sanitarista na saúde coletiva em relação aos temas planejamento em saúde, vigilância em saúde, epidemiologia e saneamento básico com um grande importante setor da sociedade, que é a estação de tratamento do município”, avaliou o tutor.

Durante a visita na ETE Norte, os residentes conheceram o fluxograma do processo de tratamento de esgoto. “O tratamento evita doenças como diarreia, cólera, malária, dentre outras enfermidades transmitidas pela água contaminada e receber visitas como essa faz parte do nosso trabalho de conscientização”, pontuou a engenheira química da BRK Ambiental, Polyana Lopes, que acompanhou os residentes ao longo da visita técnica. Para o odontólogo residente Márcio Fernandes foi um momento enriquecedor. “Nós da área da saúde estamos sempre focados em nos empenharmos em questões mais rotineiras que vemos em nosso cotidiano, e às vezes não lembramos que para uma saúde completa, precisamos que todos os passos sejam seguidos da melhor forma possível, desde a nossa alimentação e higienização até o último passo, que é o tratamento da matéria orgânica de um local, empresa ou cidade”, destacou o residente.

A segunda turma conheceu os processos de tratamento de coleta de resíduos sólidos da Capital no aterro sanitário sob guia do assistente operacional do Aterro, o economista, Adeluzio Azevedo. A visita ao aterro contou com a participação da gestora de aprendizagem da Unidade Educacional Gestão do Cuidado Coletivo, Marta Malheiros e tutora Jaciane Araújo.