Residentes qualificam Trabalho de Conclusão de Residência e projetos de pesquisas relevantes serão aplicados nas unidades de saúde da Capital

Fundação Escola de Saúde Pública

Autor: Redação e edição Fesp | Publicado em 28 de março de 2022 às 12:26

Qualificação aconteceu na última semana, de 21 a 25 de março

Intervenção em sintomas de ansiedade e engajamento no trabalho; prevenção da gravidez na adolescência; infecção do trato urinário na gestação; uso de planta medicinal; vigilância à doença de mão, pé e boca; atendimento antirrábico humano em Palmas; foram alguns dos temas dos Trabalhos de Conclusão de Residência (TCRs) apresentados na última semana, de segunda-feira, 21, a sexta-feira, 25, pelos residentes do Plano Integrado de Residência em Saúde (PIRS) da Fundação Escola de Saúde da Pública de Palmas (Fesp). A qualificação dos residentes foi realizada pela Comissão de Residência Médica do Sistema Integrado Saúde Escola do SUS (Coreme/SISE-SUS) na sede da Fesp e Comissão de Residência Multiprofissional em Saúde do Centro Universitário Luterano de Palmas (Coremu/Ceulp), na própria instituição de ensino.

Os residentes de Medicina de Família e Comunidade, Gabriela Ribeiro Guimarães e Gabriel Sousa Soares, trouxeram temáticas envolvendo o público idoso e contaram com a participação do professor doutor, Luiz Sinesio Neto, docente da Universidade da Maturidade (UMA) da Universidade Federal do Tocantins (UFT) em suas bancas. “Gosto muito de saúde mental e na minha prática percebo que cada vez mais, recebemos pessoas com ansiedade, pois alguns idosos já relatavam a solidão que se agravaram com a pandemia. É um grupo que tem pouca facilidade com novas tecnologias que minimizam essas interações. Tenho ainda minha própria experiência em casa onde percebi o sofrimento da minha avó e, enquanto residente, espero que a pesquisa ajude esse grupo a enfrentar este problema”, destacou a residente que deve inciar a pesquisa ‘Sinais e sintomas depressivos dos idosos frequentadores dos CSCs de Palmas no período da pandemia da Covid-19’. 

Já o médico residente Gabriel Soares, motivado pelo tabu em torno do tema escolhido, falou sobre ‘Avaliação do conhecimento de idosos em relação à sífilis’. “Tema necessário e muito negligenciado por falta de campanhas de prevenção voltadas ao público idoso e este trabalho vai estimular a campanha e até mesmo os profissionais na assistência”, disse a orientadora do residente e preceptora, a médica Mariana Cotrim.

Ao todo, qualificaram 101 residentes dos Programas de Residências Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade; Multiprofissional em Saúde Mental; Multiprofissional em Saúde Coletiva; Uniprofissional em Enfermagem Obstétrica; Uniprofissional em Clínica Integrada de Adultos, e Uniprofissional em Medicina Veterinária; Programa de Residência em Medicina da Família e Comunidade; e Residência em Oftalmologia. A Residência em Saúde Mental apresentou temas importantes como: ‘Síndrome de Burnout nos profissionais de saúde mental de Palmas após a pandemia da Covid-19’; Pandemia da Covid-19 em Palmas-TO: possíveis enfrentamentos dos familiares dos usuários do CAPS AD II’; ‘Avaliação da adesão ao tratamento de pacientes em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas: percepção de profissionais de saúde’; ‘Desgaste do familiar responsável pelo ente querido com transtorno mental que faz acompanhamento no CAPS II de Palmas/TO; e outros.

 

Parceria
Durante as apresentações, o professor Luiz Sinésio Neto disse que: “Pensando das práticas de educação em saúde, neste processo de integração, também pactuo da importância deste processo mas devemos pensar em como fazer educação e saúde para mudar o pensamento e comportamento das pessoas, principalmente dos idosos. Uma das condições que a gente pensa é planejamento e monitoramento”.

A supervisora da residência de Medicina da Família e Comunidade que atua no Núcleo de Apoio à Pesquisa, a médica Fernanda Rosa, destacou a relevância da participação do professor nas bancas dos residentes. “Ele trouxe contribuições importantes pensando no público idoso, penso que podemos firmar algum tipo de parceria, pensando inclusive, em metologias ativas como oficinas, capacitações, é um trabalho que pode fazer a diferença. Vamos avaliar junto a gestão”, pontuou. 


Próxima etapa

Após qualificação, caso necessário, os trabalhos apresentados irão passar por ajustes, e deverão ser submetidos à Comissão de Avaliação de Projetos de Pesquisa (CAPP) https://fesp.palmas.to.gov.br/pesquisa-nups e em seguida, para os projetos que envolvem seres humanos, após submissão à CAPP, devem ser protocolados ainda no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP), vinculado ao Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), respeitando o cronograma de cada um. A previsão é que as pesquisas dos residentes devem ser iniciadas entre junho e julho após os trâmites internos nas devidas comissões.