Saúde alerta para prevenção e cuidados com a dengue

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 29 de janeiro de 2019 às 12:37

Agentes de combates às endemias e equipes de limpeza realizam força-tarefa na Capital

Preocupada em diminuir as ocorrências da dengue na Capital, a Prefeitura de Palmas vem atuando para conscientizar a população e também ampliar a vigilância em relação à proliferação do mosquito causador da doença. Nesse sentido, as secretarias de Saúde e Infraestrutura da Capital montaram equipes de trabalhadores para percorrer todas as regiões do município.

 

Vale destacar que 88% dos focos do mosquito estão dentro das residências, daí a necessidade do envolvimento da população no combate a este vetor.  Até o momento mais de 40 mil imóveis já foram vistoriados pelos agentes de combate às endemias.

 

Nesta força-tarefa, os agentes de combate às endemias estão com a responsabilidade de monitorar e orientar os proprietários de imóveis que não estiverem cuidando adequadamente de seus espaços. Já os profissionais da Infraestrutura estão com a missão de roçar, limpar e tirar todo entulho que possa acumular água em áreas públicas.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, em todo o ano passado, foram registrados 266 mil casos prováveis da doença em todo o país. Já em 2017, foram  239 mil notificações, o que equivale a um aumento de 11%. Em Palmas, nas primeiras três semanas de janeiro, 1.316 casos foram notificados, dentre estes, apenas 62 foram confirmados para a dengue. No ano passado, no mesmo período, o número de registros de casos confirmados foi de 145.

 

A bióloga e diretora de Vigilância Epidemiológica, Marta Malheiros, disse que desde o ano passado, a Saúde de Palmas está em alerta para manter a doença sob controle. “Nossos técnicos estão monitorando as áreas com maior incidência de focos do mosquito. E nestas áreas as equipes intensificaram as ações de combate e prevenção ao Aedes, realizando os mutirões onde orientam os moradores e eliminam focos que encontram”, reforça a diretora.

  

Os especialistas da Unidade de Vigilância e Controle de Zoonoses alertam que não adianta só o poder público intensificar as ações de combate, a população também pode buscar soluções preventivas para eliminar os criadouros do mosquito do Aedes aegypti.  “Esta é a época de maior risco de infecção por doenças transmitidas por ele. É preciso ficar atento e redobrar os cuidados com possíveis criadouros”, ressalta a gerente da UVCZ, Betânia Costa, alertando que os insetos são silenciosos e podem estar em apartamentos, casas, perímetro urbano ou rural.




Edição e postagem: Iara Cruz