Segunda fase da vacinação contra a Influenza começa no dia 16 de abril e segue até 8 de maio

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 13 de abril de 2020 às 17:36

Imunização será feita nas 32 salas de vacinas e em mais dois pontos na Capital

Começa na próxima quinta-feira, 16, e seguirá até o dia 8 de maio a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Até o momento, o Ministério da Saúde não informou as metas de imunização a serem alcançadas, isso porque uma parte do público dessa fase é flutuante, ou seja, pode mudar em um curto espaço de tempo.  

 

Os grupos da segunda etapa são os profissionais de forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e de outras condições clínicas especiais, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade, caminhoneiros e profissionais de transporte coletivo (motoristas e cobradores).  

 

A imunização será realizada nas 32 salas de vacinas dos Centros de Saúde da Comunidade de Palmas (CSCs). Além disso, vão ser montados pontos de vacinação na Casa de Prisão Provisória de Palmas e no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar do Tocantins, especificamente para atender aos públicos ligados a essas instituições.   

 

Primeira etapa

 

A primeira fase da Campanha teve início no dia 23 de março, e foi direcionada aos idosos acima de 60 e profissionais da Saúde. A procura foi muito acima do esperado, principalmente pelo público idoso, esgotando rapidamente as 13 mil doses recebidas inicialmente pela Central de Vacinas do Município (CEMUV). Após o reabastecimento, com mais seis mil doses do imunizante, a Campanha foi reiniciada no dia 30 de março.

 

Foram vacinados 11.851 idosos acima de 60 anos e 6.994 profissionais da Saúde. Entretanto, a enfermeira da CEMUV, Juliana Ribeiro, relembra que a procura foi intensa e muitas pessoas não conseguiram receber as doses. “As pessoas da primeira etapa da Campanha que não foram vacinadas podem procurar o Centro de Saúde da Comunidade mais próximo de suas residências para se proteger”, disse a profissional, ressaltando ainda que é fundamental evitar aglomerações e correrias até os CSCs.