Semus trabalha para implantar a rede de cuidado farmacêutico na Capital, aumentando a resolutividade na Atenção Básica

Secretaria da Saúde

Autor: Redação Semus | Publicado em 08 de março de 2019 às 17:17

  Trinta farmacêuticos da rede foram capacitados para o desenvolvimento da farmácia clínica


 

Focada numa resolutividade maior na Atenção Básica e na aplicação da farmácia clínica, a rede municipal de saúde está trabalhando para que os profissionais farmacêuticos que atuam nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasfs) e nas farmácias municipais ampliem suas atribuições.



Desde junho de 2018, todos os 30 farmacêuticos da rede participaram do curso Cuidado Farmacêutico no Sistema Único de Saúde (SUS), ofertado em parceria do Conselho Federal de Farmácia (CFF). O curso teve sete módulos com carga horária de 16 horas cada, sendo o último deles realizado na semana passada tendo como tema a saúde mental.



A gerente da Assistência Farmacêutica, Karenina Pegado, explica que farmácia clínica ou cuidado farmacêutico como também é chamada, consiste num atendimento individualizado que busca orientar melhor o usuário do SUS quanto ao uso do medicamento, o armazenamento correto, os horários em que devem ser tomados, e principalmente, quanto às interações medicamentosas no caso de pacientes que fazem uso de vários medicamentos.



“Às vezes o paciente toma vários medicamentos, cada um prescrito por um médico diferente que podem estar causando interações medicamentosas, levando a diminuição do efeito de um dos medicamentos. Às vezes aquele paciente guarda o medicamento em lugar inadequado ou ainda muda os horários de tomar o medicamento por conta própria, justamente por falta dessa orientação”, exemplifica.



Karenina ressalta que esse tipo de situações tem sobrecarregado as Unidades de Pronto Atendimentos (Upas) que acabam atendendo pacientes com picos hipertensivos por exemplo. “Hoje a gente atende muito nas Upas, pacientes com pico hipertensivo e são pacientes que estão sendo atendidos na Atenção Básica, mas que os medicamentos não está controlando o quadro clínico como deveria. Então às vezes é falta de uma orientação sobre a forma correta de tomar o medicamento certinho que pode ser dada na Atenção Básica”, reforça.



Na prática, os farmacêuticos da rede terão durante a semana dias específicos para fazer o atendimento individualizado nos Centros de Saúde da Comunidade (CSCs) e ainda fazer visitas aos pacientes junto com as equipes de estratégia de saúde da família. “Após a conclusão do curso, já estamos elaborando um projeto piloto com os farmacêuticos do Nasfs e posteriormente com os profissionais que atuam nas farmácias municipais contemplando todos os usuários SUS atendidos nos 34 Centros de Saúde da Comunidade”, concluiu.






 

Edição e postagem: Lorena Karlla