Tutoras da Educação Permanente da Fesp têm trabalho sobre higienização das mãos aprovado em congresso nacional

Fundação Escola de Saúde Pública

Autor: Redação Fesp | Publicado em 22 de novembro de 2022 às 12:28

Segundo Anvisa, medida simples é forma prática e efetiva de prevenir e controlar infecções

As tutoras do Programa de Educação Permanente, Atenção Primária e Vigilância em Saúde de Palmas (PEP-APVS) da Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp) tiveram seu trabalho aprovado no 73º Congresso Brasileiro de Enfermagem (CBEn), ocorrido na última semana em Salvador-BA. Intitulado 'Conhecimento e prática da higienização das mãos por agentes comunitários de saúde durante o enfrentamento da Covid-19', o projeto segue a temática da edição, proposta neste ano, que aborda os ‘Impactos da pandemia no Brasil e os desafios para o campo da enfermagem e saúde’. Segundo Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a medida simples é forma prática e efetiva de prevenir e controlar infecções.

Dentre as autoras do projeto, destacam-se as tutoras do PEP, Mirian dos Santos, Tiemi Kojo, Anita Coelho e Quézia Cavalcante. O trabalho foi apresentado pela tutora Mirian dos Santos e categorizado na modalidade e-Poster. Durante a apresentação, os projetos ficaram disponíveis online para os congressistas, com possibilidade de comentários como o da enfermeira Cristiane Zogheib, mestre em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (USP), com atuação na Educação Permanente do Hospital Oswaldo Cruz, São Paulo (SP).

“Quero parabenizar a escolha do tema! A higienização das mãos é uma prática simples e fundamental na prevenção de doenças. A observação da técnica correta e o uso de adornos reforça a importância de treinamento e conscientização deste ato que salva vidas”, comentou a participante Cristiane, destacando a importância desta prática na área da saúde.

De acordo com a Anvisa, o controle de infecções nos serviços de saúde, incluindo as práticas da higienização das mãos, além de atender às exigências legais e éticas, concorre também para melhoria da qualidade no atendimento e assistência ao paciente. “Um gesto simples, com uma relevância tão grande. Este é o peso do nosso projeto e vê-lo ganhar espaço em um evento nacional muito nos honra, pois é fruto das nossas capacitações. Passamos por momentos muitos difíceis durante a pandemia e coisas que pareciam pequenas foram ressignificadas, toda a rede de saúde passou por esta capacitação”, disse a coordenadora do PEP e uma das autoras, Quézia Cavalcante. 

 

Texto: Redação Fesp
Edição: Secom